PF FAZ MEGAOPERAÇÃO CONTRA GRUPO QUE VENDEU 43 MIL ARMAS PARA O PCC E CV


Foto: Reprodução

Nesta terça-feira (5), a Polícia Federal (PF) deflagrou uma operação que desarticulou um grupo suspeito de fornecer 43 mil armas aos líderes das maiores facções criminosas do Brasil, como o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Comando Vermelho, movimentando cerca de R$ 1,2 bilhão.

A ação policial abrange 25 mandados de prisão preventiva, seis de prisão temporária e 52 de busca e apreensão em três países: Brasil, Estados Unidos e Paraguai. O principal alvo, Diego Hernan Dirísio, considerado o maior contrabandista de armas da América do Sul, ainda não foi localizado.

Até o momento, cinco indivíduos envolvidos no crime foram detidos no Brasil, e outros 11 foram presos no Paraguai. A Justiça da Bahia, responsável pela operação, determinou que os suspeitos detidos no exterior sejam incluídos na lista vermelha da Interpol, buscando sua prisão e posterior extradição para o Brasil.

A investigação teve início em 2020, quando a apreensão de pistolas e munições no interior da Bahia revelou armas com numeração raspada. Por meio de perícia, a PF obteve informações cruciais que impulsionaram a investigação.

Compra de armas
A cooperação internacional que culminou na operação desta terça-feira apontou que um argentino, proprietário da empresa IAS, sediada no Paraguai, adquiria armamentos, como pistolas, fuzis, rifles, metralhadoras e munições, de fabricantes em países como Croácia, Turquia, República Tcheca e Eslovênia.

Durante o período de novembro de 2019 a maio de 2022, a empresa de Dirísio importou 7.720 pistolas da Croácia, além da compra e venda de 2.056 fuzis produzidos na República Tcheca e cinco mil rifles, pistolas e revólveres produzidos na Turquia. Outras 1.200 pistolas foram importadas da Eslovênia, totalizando 16.669 armas.

Jair Sampaio

0 Comments:

Postar um comentário

Curta Nossa Página

Posts Recentes

Marcadores

PREVISÃO DO TEMPO

VSFM 104,9-Voz Serrinhense