Bolsonaro cita ‘mundo caindo na cabeça’, mas diz que ‘não tem medo de julgamento desde que os juízes sejam isentos’

Foto: Pablo Porciuncula / AFP

Um dia depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) derrubar o sigilo dos depoimentos de militares na investigação sobre uma suposta tentativa de golpe de Estado depois da eleição de 2022, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) evitou se debruçar sobre o teor das investigações. Alegou, no entanto, que é perseguido por ser um “paralelepípedo no sapato da esquerda” e disse não temer julgamentos.

— Eu poderia muito bem estar em outro país, mas decidi voltar para cá com todo o risco. Não tenho medo de qualquer julgamento, desde que os juízes sejam isentos — afirmou durante lançamento da pré-candidatura de Alexandre Ramagem (PL) à prefeitura do Rio.

— Ramagem trabalhou comigo, fez um excelente trabalho, deixou sua marca. E obviamente, quando se lança pré-candidato, o mundo cai na cabeça dele, como vem caindo na minha, porque sou um paralelepípedo no sapato da esquerda, completou Bolsonaro.

O ato de hoje se deu na quadra da Mocidade Independente de Padre Miguel, na Zona Oeste do Rio. Ontem, enquanto o ministro Alexandre de Moraes derrubava o sigilo dos depoimentos de militares sobre a suposta tentativa de golpe, Bolsonaro fazia uma espécie de “turnê” por cidades litorâneas na Região Metropolitana e na Região dos Lagos.

Segundo os depoimentos convergentes do ex-comandante do Exército Marco Antônio Freire Gomes e do ex-chefe da Aeronáutica Carlos de Almeida Baptista Junior, Bolsonaro teria apresentado três opções jurídicas para colocar o golpe em curso: Garantia da Lei e da Ordem (GLO), estado de sítio e estado de defesa. A única das Forças Armadas a topar a aventura golpista teria sido a Marinha, com o almirante Almir Garnier Santos.

Com informações de O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário