Lula vai assinar na segunda-feira projeto de lei com piso salarial e carga horária para motoristas de aplicativo

Foto: Photographer: Alex Kraus/Bloomberg

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assina nesta segunda-feira projeto de lei complementar, que vai regulamentar os serviços prestados por motoristas de aplicativos de plataformas. O texto será enviado pelo governo ao Congresso Nacional

A proposta define que os trabalhadores serão mantidos como autônomos perante as empresas de aplicativo. No entanto, o projeto cria uma contribuição obrigatória para a Previdência à categoria e plataformas, a ser descontada na fonte e recolhida pelas empresas.

O movimento do governo vem noves meses após a criação de Grupos de Trabalho (GTs) para discutir a regulamentação das categorias de motoristas e entregadores por aplicativo. Motociclistas e entregadores ficaram de fora por falta de acordo com as empresas.

Segundo a minuta da proposta, os trabalhadores terão um piso por hora rodada de R$ 32,09. O texto define que a base de remuneração da categoria será o salário mínimo (hoje em R$ 1.412) e será calculada por hora efetivamente rodada (entre o aceite da corrida e a chegada ao destino do passageiro).

As plataformas serão responsáveis por descontar a contribuição do trabalhador e fazer o recolhimento para a Previdência.

Com a contribuição, trabalhadores terão direito a benefícios, como aposentadoria por idade, pensão por morte, auxílio-doença e acidentário, por exemplo.

Jornada de trabalho
A jornada diária será de oito horas, mas poderá chegar a 12 horas se houver acordo com sindicatos da categoria.

Além disso, as empresas terão de fornecer vale alimentação diário para motoristas cadastrados a partir da sexta hora trabalhada por dia. Os trabalhadores e dependentes também terão garantidos os serviços médico e odontológico.

O texto deixa claro a “inexistência de qualquer relação de exclusividade entre trabalhador e empresa.” Também afirma que o motorista de veículo de quatro rodas fará parte de uma nova categoria chamada de “trabalhador autônomo por plataforma.”

Pontos de apoio
O projeto determina ainda que as empresas deverão manter à disposição dos motoristas cadastrados pontos de apoio — em locais a serem definidos com o sindicato —, com refeitório, primeiros socorros, sanitários “em perfeitas condições” e água potável.

O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário